A sétima fase da Operação Calvário, deflagrada nesta terça-feira (17), na Paraíba, pode ter repercussões no Rio de Janeiro, conforme apontado pela Revista Veja. 

Isso porque um dos colaboradores desta fase da operação é o empresário Daniel Gomes da Silva, da Cruz Vermelha, que liderava o esquema desmontado pelos investigadores.

O mesmo Daniel, preso no fim de 2018, negociou em sigilo uma delação com a PGR e teve seu acordo homologado pelo STJ.

Daniel arrasta a campanha do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, para o centro dos seus negócios. Diz que, em meados do ano passado, repassou uma grande quantia em dinheiro, via caixa dois — o valor é mantido em sigilo — para emissários do governador. Ele teria dado o dinheiro para se aproximar do grupo político de Witzel que assumiria o poder no Rio.

CLICK PB